Cistos ovarianos

cisto de ovário

Oi meninas!

Vejo muita confusão com relação a esse tema, inclusive entre os próprios ultrassonografistas. Muitas pacientes chegam pra fazer o exame endovaginal comigo porque têm cisto no ovário… Quando vou fazer o exame, normalmente se trata de ovários micropolicísticos, que faz parte da Síndrome dos Ovários Policísticos. Deve então haver um consenso do que é e o que não é cisto. Vamos começar por aquilo que não é cisto. A palavra “cístico” quer dizer uma estrutura que apresente uma parede fina e está cheia de líquido em seu interior.

Folículos Funcionais

Na mulher, em virtude do ciclo menstrual e das alterações hormonais, os ovários passam por fases características a fim de “selecionar” o óvulo que irá amadurecer e sair do ovário para ser fecundado. Não são cistos, são folículos normais que aparecem nas mulheres que não utilizem anticoncepcionais.

1) Folículo funcional ou dominante: No início do ciclo são recrutados vários folículos, mas só um realmente amadurece. Ele aparece por volta do 10o ou 12o dia do ciclo, com um diâmetro maior que 10 mm e vai crescendo entre 1 e 2 mm por dia.

2) Folículo pré-ovulatório ou lúteo: É quando o folículo dominante atinge o diâmetro de 18 mm, podendo chegar a 21 mm, raramente 23 mm, quando então se rompem liberando o óvulo (ovulação). Os demais folículos regridem e são reabsorvidos.

ovulação

3) Corpo lúteo: O folículo que se rompeu durante a ovulação se transforma num corpúsculo esbranquiçado e irregular, como uma ”cicatriz”, e permanece no ovário até a próxima menstruação. Caso haja fecundação, o corpo lúteo permanece íntegro no ovário produzindo hormônios para manter a gestação até que se complete 12 semanas, quando a placenta passa a ter essa função e ele então desaparece.

4) Cistos de retenção: São folículos ovulatórios que ultrapassam o diâmetro de 23 mm, mesmo tendo expulsado o óvulo de seu interior, mas logo regridem, voltando ao normal.

Cisto benigno de ovário

Os cistos ovarianos afetam muitas mulheres em todas as idades. A grande maioria ocorre durante o período fértil da mulher e é benigna, ou seja, não estão relacionados a nenhuma doença.

São exemplos de cistos benignos de ovário:

* Cisto de corpo lúteo – quando não ocorre uma gravidez, o corpo lúteo vai regredindo, mas pode ficar com paredes mais grossas e conter sangue em seu interior. É descrito pelo ultrassonografista como um cisto heterogêneo (diferente do esperado), mas não causam sintomas e geralmente é de um lado só.

* Corpo lúteo hemorrágico – é o corpo lúteo que, ao invés de diminuir, vai crescendo devido ao sangramento de pequenos vasos em seu interior, podendo causar dor do lado em que está presente. Não é necessário nenhum tratamento e aconselha-se a realização de um ultrassom endovaginal no próximo ciclo como controle.

* Cisto dermóide – Também chamado Teratoma maduro, é um tumor benigno (não é câncer) que afeta principalmente mulheres jovens e adolescentes e contém em seu interior gordura, ossos, pêlos e cartilagem. Apesar de não ter uma aparência muito bonita à ultrassonografia, a cura total  se dá pela retirada cirúrgica do tumor.

* Endometrioma ou cisto endometrióide – aparecem nas portadoras de endometriose, quando células do endométrio (camada interna do útero) se mobilizam e crescem dentro do ovário. Com o passar do tempo vão “sangrando” e formando uma área cística com características próprias ao ultrassom. Ao contrário do que muitos acreditam, o cisto mesmo não dói e ocorre em mulheres em idade reprodutiva.

Cisto endometrióide ou endometrioma ovariano – aspecto de “vidro moído”.

 * Cistoadenoma – é um tumor benigno que se desenvolve no ovário e pode ser preenchido por conteúdo líquido ou mucoso e atingir vários centímetros de diâmetro, necessitando de remoção cirúrgica. Praticamente não causa nenhum sintoma e a grande maioria é benigno.

Leia também:
* Endometriose
* Síndrome dos ovários policísticos

Quais são os sintomas de cistos no ovário?

Normalmente os cistos não causam muitos sintomas e são achados ocasionais durante exames de rotina, mas caso haja sintomas, podemos enumerar:

* Dor pélvica – pode ser causada pelo rápido crescimento e estiramento das estruturas ovarianas ou por torção sobre o próprio eixo, comprometendo seu suprimento sanguíneo;
* Irregularidade menstrual;
* Cólicas durante o período menstrual,
* Dor durante relação sexual;
* Infertilidade.

Avaliação dos cistos de ovário

Caso o cisto tenha alcançado um tamanho maior, pode ser palpado durante o exame físico abdominal ou pelo toque vaginal. Para comprovação e avaliação do cisto, alguns exames podem ser solicitados por seu ginecologista.

Exames de Imagem

O ultrassom transvaginal é o melhor exame de imagem para o diagnóstico de um cisto ovariano. Pode-se saber a localização exata, o número e o tamanho do cisto. É possível saber se ele é preenchido por fluido ou muco ou se apresenta alguma estrutura sólida em seu interior. A tomografia de pelve pode ajudar na avaliação da extensão do cisto. A ressonância nuclear magnética pode ser indicada em algumas ocasiões especiais para diferenciar alguns tipos de cistos.

Dosagem de Ca-125

O Ca-125 é um marcador sanguíneo que pode ajudar a rastrear o câncer ovariano, mas não é específico, podendo estar elevado em outras doenças como cirrose, endometriose e hepatite. Alguns cistos benignos também podem elevar os níveis de Ca-125, portanto um valor elevado não significa necessariamente um tumor ovariano maligno.

Teste de Gravidez (beta-hCG)

Uma gravidez que acontece fora do útero (ectópica) deve ser descartada, pois alguns dos sintomas de gravidez ectópica podem ser semelhantes aos dos cistos ovarianos.

Tratamento

Os cistos funcionais, que descrevi no início do artigo, não precisam de qualquer tratamento pois desaparecem sozinhos. Caso não regridam, são acompanhados durante alguns meses pela ultrassonografia para que se saiba se ele continua crescendo. Só então pode-se pensar em retirá-lo cirurgicamente para determinar se são realmente benignos.

Os anticoncepcionais podem ajudar a regular a menstruação e evitar a formação de folículos que possam se transformar em novos cistos. Os anti-inflamatórios podem ser usados para reduzir a dor pélvica.

Caso se decida pela cirurgia, esta poderá ser feita por videolaparoscopia ou corte do tipo cesareana. Caso não haja nenhum sinal de malignidade, somente o cisto pode ser retirado e o restante do ovário preservado. Quando há torção do cisto ovariano, que normalmente ocorre em cistos maiores, a cirurgia deve ser imediata.

Conclusão

Como você viu, a palavra cisto é muito genérica e não precisa causar tanto alvoroço, pois a maioria é benigna. Se o seu médico pedir exames de ultrassom em sequência, não se desespere, pois a maior probabilidade é que o cisto tenha desaparecido. Se você não toma anticoncepcional e em seu ultrassom estiver descrito um cisto com menos de 23 mm, calma… provavelmente isso não é um cisto verdadeiro, sendo apenas um folículo funcional. Caso ele tenha mais de 23 mm é necessário aguardar e acompanhar para ver como ele vai evoluir.

Fonte: Fetalmed

35 cometários sobre “Cistos ovarianos

  1. Ola…me chamo Maíra…no dia 14 de setembro fiz uma transvaginal e descobri um cisto de 10 cm no ovário esquerdo…
    E no dia 21 de setembro fiz um ultrassom pelvico….e nele marcava ….

    Ovario E…presença de massa cistica com formacao hiperecogenica amorfa junto a parede, sem vascularizacao anômala localizada anterior e superior ao utero, medindo 10.6 x 9.9 x 8.0 cm (vol 438 ml)
    Massa cistica heterogênea (ovariana?)

    Eh muito grave isso? Estou muito preocupada..pois eh grande demais
    Ainda vou passar com a ginecologista…

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: